Rick and Morty Temporada 5 Episódio 2 Recapitulação e fim, explicado

1937
Rick and Morty Temporada 5 Episódio 2 Recapitulação e fim, explicado

Rick e Morty tem sido sempre uma série que prospera indo acima e além. Episódio 2 de “Rick and Morty” Season 5 é o exemplo perfeito da série animada a fazer algo totalmente novo e fora da caixa. Temas de existencialismo correm desenfreadamente neste episódio hilariante que segue Rick, Morty e o resto da família a tentarem lidar com versões de engodo de si próprios.

Se, depois de assistir ao episódio, se perdeu após as várias reviravoltas e fingimentos e ficou totalmente perplexo com o final do episódio, permita-nos desvendar a complexa combinação de ficção científica, filosofia e humor que é o episódio final da Temporada 5 de “Rick e Morty”. Aqui está tudo o que precisa de saber sobre os acontecimentos do episódio e o seu final confuso. SPOILERS À FRENTE!

Rick and Morty Temporada 5 Episódio 2 Summary

O segundo episódio da temporada 5 de Rick e Morty, intitulado “Mortyplicity,” abre com um jantar habitual entre Rick e a sua família. Rick nota uma inconsistência no comportamento de Jerry. Num instante, um extraterrestre parecido com uma lula aparece e mata a família. Passamos rapidamente para outra casa da família Smith, onde Rick pára o Verão e Morty de disparar contra o Sr. Sempre. Recebe uma notificação avisando-o de que a família “engodo” está morta. À medida que o episódio avança, apercebemo-nos de que os vários chamarizes criaram outros chamarizes, e que os alienígenas lulas estão a persegui-los a todos.

Quando Rick e a sua família emboscaram outra família de chamarizes vestidos de lulas, perceberam que as lulas são chamarizes que tentam matar os outros chamarizes. Em breve, a batalha do engodo aumenta para uma grande escala. Entretanto, vários dos chamarizes de Beth tentam convencer Rick de que os chamarizes não devem ser mortos. Eventualmente, uma família escapa à guerra e é salva do malvado Rick por outra família de engodo. Ficamos a saber que foi feita uma aliança entre os chamarizes para parar a guerra. No entanto, a sua base também é atacada, e a guerra continua até restar apenas uma família, a família “real”.

Rick and Morty Temporada 5 Episódio 2 Ending: Why did Rick create a decoy family?

No final do episódio, restam apenas duas famílias. Eles lutam até restar apenas uma versão de Rick, Jerry, Beth, Summer e Morty. No entanto, no meio de todo o caos, ninguém sabe se são reais ou chamarizes. Finalmente, o Sr. surge sempre do nada e dispara sobre todos eles. A cena muda para mostrar Rick e os Ferreiros a regressarem de uma viagem ao espaço. O espaço Beth também está com eles. Neste momento, Rick recebe uma notificação de que a família falsa está morta. Este momento parece confirmar que a verdadeira família esteve fora da Terra o tempo todo.

Apesar de todas estas voltas e reviravoltas, o episódio nunca explica porque é que Rick criou os chamarizes. Rick, que mais tarde descobrimos ser um engodo, argumenta com Beth que criou os engodos para manter a sua família segura. Contudo, os chamarizes são caçados pelos chamarizes, tornando o argumento redundante. Resta saber também se o verdadeiro Rick está ciente de que os chamarizes se multiplicaram. No final, parece que não há mais chamarizes. Todo o enredo de engodo foi um engano, destinado a dar a impressão de utilizar um conceito de ficção científica ultra-complexo para examinar as questões filosóficas mais profundas da vida.

O final significa que enquanto pensávamos no enredo de engodo como uma história interior emaranhado, na realidade era uma viagem para fora. A vida sintética desenvolvendo o sentimento e criando outros como ela é um tropo comum de ficção científica. Este tropo é utilizado como uma adaga de lâmina dupla temperada com meta-humor no coração do existencialismo, um dos temas recorrentes da série. O esgotamento do engodo é provavelmente uma metáfora para as insuficiências da família.

Um chamariz Rick é gritado por Beth sobre a criação dos chamarizes. Ela diz que Rick fez os chamarizes porque tem medo de morrer e/ou perder a sua família – uma acção que é contraditória com o facto de Rick normalmente achar a vida e a família onerosas. No episódio, as contradições comportamentais são normalmente apontadas como um sinal de ser um engodo. Se as versões de Rick e Beth neste momento em particular são engodos, perguntamo-nos se o verdadeiro Rick criou os engodos por necessidade ou como outra forma de provar que ele é superior a todos os outros seres. Assim, enquanto Rick cuida da sua família, ele também os coloca constantemente em perigo, criando uma necessidade constante de os proteger. A quem, pergunta? De si próprio, como se isso já não fosse suficientemente óbvio.

O que é uma acrobacia de Asimov?

No episódio, Rick refere-se a chamarizes que matam outros chamarizes como uma “Acrobacia de Asimov”. Este termo, cunhado pelo próprio Rick, é provavelmente uma ode ao lendário autor Issac Asimov, conhecido pelas suas histórias de robôs e outras formas de vida sintéticas. Uma proeza de Asimov é um paradoxo simples. Como Rick explica, os chamarizes matam-se uns aos outros e os chamarizes apercebem-se de que outros estão a criar chamarizes. Esta constatação leva-os a verificar os chamarizes que criaram.

Esta acção coloca-os em rota de colisão com outros chamarizes, o que desencadeia as mortes. No final desta provação, os vários chamarizes aprendem a verdade sobre a sua existência. O efeito criado pela transmissão sucessiva de certas informações é conhecido como o efeito em cascata. No episódio, há várias referências às três leis criadas por Issac Asimov, que todos os robôs deveriam idealmente seguir. Assim, embora o episódio trate os engodos como um conceito complexo, eles são essencialmente apenas robôs.

“Um robô não pode ferir um ser humano ou, pela sua inacção, permitir que um ser humano seja ferido” é a primeira lei de Asimov, razão pela qual Rick considera inicialmente que os chamarizes são inofensivos. A segunda lei estabelece que “um robô deve obedecer às ordens que lhe são dadas por seres humanos, a menos que essas ordens entrem em conflito com a primeira lei”. No final, todos os Ricks e os membros da família Smith na Terra acabam por se revelar chamar chamarizes. Assim, ambas as leis estão tecnicamente intactas.

A terceira lei estabelece que “um robô deve proteger a sua própria existência desde que essa protecção não entre em conflito com a primeira ou segunda lei”. Esta lei explica porque é que os chamarizes se matam uns aos outros por autopreservação. No entanto, à medida que o conflito se intensifica, os chamarizes só tomam consciência da sua natureza sintética quando estão prestes a morrer. Como resultado, as três leis são também algo contraditórias no episódio, criando todo um outro paradoxo.

Cena pós-créditos: o que acontece ao engodo Jerry?

Nos momentos de abertura do episódio, Rick e Morty estão entusiasmados por matar Deus. Afirmam que o Deus cristão é real e tem estado a dormir há milhares de anos. Mais tarde, no episódio, um dos bonecos de madeira feitos de Jerries condena os outros bonecos porque quer viver. Ele vive, e parece que viverá para sempre. Na cena pós créditos, vemos que o engodo da cabeça decepada do Jerry está vivo há milhares de anos.

Encontra-se numa época dominada por cowboys. Depois acorda milhares de anos mais tarde, numa época em que uma figura parecida com a de Cristo é crucificada. Ele grita em agonia enquanto a humanidade inventa mais uma vez o cristianismo. Isto levanta a questão de saber se Rick e Morty estavam de facto correctos ao dizer que Deus é real. Para um espectáculo que muitas vezes se alinhou com o ateísmo ou é agnóstico, para dizer o mínimo, toda a mordaça é mais uma das piadas fora do espectáculo que são tão subtis que não são susceptíveis de ofender ninguém. Contudo, poderia este Jerry ser o Deus de que vemos Rick e Morty a falar? Afinal de contas, ele existe há milhares de anos e vê o nascimento/renascimento do cristianismo. É possível que esta mordaça seja uma armadilha para um episódio que aborda a dualidade da religião.